Como deixar seu jogo profissional

Sim, jogos indie são profissionais, eu sei. O título foi realmente para provocar. Provocar e responder à aquelas caras de interrogação que você sempre recebe quando um leigo vem e pergunta o que você está jogando. Ai você fala o nome do jogo (que ele não conhece), o nome da empresa (que ele não conhece) e escuta: “mas por quê você não joga Diablo 3?”

Mas o que eles não sabem é que alguns jogos independentes são mais “profissionais” que aqueles produzidos por mega estúdios como a Blizzard e a Ubisoft. Desenvolvedores independentes conseguem produzir obras-primas por não estarem focados somente no sucesso de vendas e no dinheiro dos jogadores.

Clique no Leia Mais e saiba de tudo.

Como uma ideia simples pode se tornar um jogo com cara de “profissional”?

“Como deixar seu jogo profissional?” Não é tão simples e precisaria de muitos artigos, mas o primeiro passo é desenvolver uma boa mecânica. Você pode ter algo super comum como o Jetpack Joyride (que usarei como exemplo inúmeras vezes) até um jogo complexo e completo como Bastion (que também será usado como exemplo muitas vezes). Então, tenha certeza que você tem uma jogabilidade boa, fluida, que não atrapalhe o desenrolar do seu jogo. Jetpack Joyride é excelente nisso. Você só tem que tocar a tela para realizar a ação (fazer a personagem saltar – com exceção de quando você está com algum do vários veículos), mas a fluidez é tamanha que você te segura e vicia.

Bastion, por outro lado, tem uma jogabilidade um pouco problemática, principalmente para aqueles que jogam no teclado do computador. Andar em diagonal, esquivar e atacar ao mesmo tempo – o que é necessário ao longo do jogo – é complicado. Mas no fim é algo que se soma à dificuldade natural que se espera de um título de Action-RPG, o que acaba sendo perdoado.

Mecânicas também podem ser inovadoras, como Braid e sua variação do tempo. Algo diferente daquilo que os jogadores estão esperando terá uma grande chance de cativá-los e conquistá-los como fiéis. Mas tenha certeza que está produzindo algo interessante e bem pensado. Não faça algo diferente apenas por fazer, afinal o tiro pode sair pela culatra.

Escute o senhor Miyagi

Ao começar aprender karatê, Daniel-san recebeu um dos principais ensinamentos que todo mundo deveria aprender. Repetir um treinamento incansavelmente irá te levar à perfeição. Aplique isso aos jogos que você for produzir. Polir os jogos até aparar todas as arestas possíveis é algo que elevará eles a um novo patamar. Jetpack Joyride é uma ideia simples, baseada no clássico Helicopter Game, mas que foi polido até tomar a cara de “profissional” que tem hoje.

Claro que adicionar novas funcionalidade e características únicas ao jogo também é um diferencial tremendo. Jetpack não seria um jogo tão viciante sem os veículos que você pode pegar ao longo de sua corrida, sem as moedas e tokens que você coleta e sem os variados obstáculos que ele apresenta. Mas novamente, cada uma dessas variações foi amplamente melhorada até atingirem um ponto próximo ao perfeito.

Não precisamos nem falar do visual de Bastion. O cenário que vai se construindo à medida que você caminha por ele com um visual que merecia estar em um quadro na parede de um museu importante. Tudo isso é fruto de um trabalho persistente de polimento do jogo até atingir esse nível.

O Diabo mora nos detalhes.

(Opinião pessoal do editor: esse é o ponto mais importante para mim).

Uma trilha sonora bem feita, que se encaixe em seu jogo pode ser algo que cative seus jogadores. Ou então o relacionamento entre os personagens. DotA 2, da Valve dá uma aula nisso. (Sim, ele não é indie. MAS já foi! Lembre-se que ele é filho de um mod do Warcraft 3). Diversas personagens tem interações entre si. Duas irmãs se provocam ao matar uma a outra e rivais se xingam a se encontrarem. O trabalho nas vozes do jogo é sensacional.

Jetpack também apresenta detalhes impressionantes. No game, você pode comprar gadgets que te ajudam em suas missões. Um deles é o cão robô Flash. Ao ativá-lo, ele correrá ao seu lado e coletará moedas para você. Além disso, ele também terá seu lugar especial nos veículos (atenção especial para o sidecar na Bad Hog). E ao trocar o gadget, você verá ao fundo, preso nas paredes, cartazes de perdido com a foto do pequeno animal artificial! Totalmente genial!

Os detalhes trarão aquele gostinho especial para seu jogo, então dê atenção a eles! Adicione-os de forma a fazer seus jogadores pensarem no trabalho que você teve para pensá-los e se divirta. Tornar seu jogo indie “profissional” é uma tarefa árdua mas gratificante. Tenho certeza que você mostrará com orgulho todas as críticas positivas e elogios que receber ao final de toda essa labuta!

“So build that wall and build it strong!” (E não deixe de comentar!)

O que é bom tem que ser visto, então fiquem de olho no Blog Splitplay!

Splitplay Loja | Splitplay facebook | Splitplay Twitter | Splitplay Tumblr

Para os últimos lançamentos do site e novidades!  

Conheça o que é o Splitplay além do blog!

Next ArticleMinecraft - as funcionalidades além do jogo